Uma aventura gelada – 2006

De Fortaleza-ce até a Antártica

Uma expedição ao fim do mundo e à frente deste ponto envolvendo moto, carro e navio, de Fortaleza à Patagônia até chegar à Antártica retornando para Porto Alegre (RS). Foram 13.095 km de estrada e mais 2.240 km de mar, cruzando mais da metade de todo o território brasileiro até o Uruguai, Argentina, Chile e Patagônia. Um verdadeiro continente com seus povos distintos, relevo e clima característico.

A Patagônia é conhecida por exploradores e aventureiros como o fim do mundo, pois domina toda a extremidade do continente sul-americano com sua natureza indomável e indescritível. O relevo desta região é único no mundo, com torres de granito em tons de rosa e branco de até 1800 metros, glaciárias, lagos cristalinos, picos cobertos de neve e fauna diversificada. Este foi o portão de entrada para a segunda parte da expedição. Em Punta Arenas a nossa equipe encontrou o navio da Marinha Brasileira Ary Rongel, nos levando para uma inesquecível expedição à estação brasileira na Antártica Comandante Ferraz, localizada na Ilha George do Sul, no Arquipélago das Shetland do Sul.

A Antártica é o último local selvagem e menos explorado do planeta. O único continente praticamente livre de contato humano desde o começo dos tempos. O mar da região, devido à zona de convergência onde as águas frias provenientes do pólo sul encontram-se com as águas quentes do Atlântico Sul, torna esse trecho do oceano o mais imprevisível do planeta, o que tornou a jornada entre a América do Sul e a Antártica uma aventura à parte.

Foi nesse cenário de conquistas que, depois de cruzar praticamente todo o continente Sul-Americano e de mar, consegui concluir o desafio de pilotar em um glaciar na selvagem Antártica.

Rodando em média 650 km por dia, vi o melhor e o pior do Brasil enquanto tocava a minha Fly para o Sul, rumo a Foz do Iguaçu. Para começar, uma volta promocional pelas concessionárias Traxx, na época em implantação no Nordeste e que me levou às belas cidades de Mossoró (RN), Currais Novos (RN), Santa Cruz (RN), Natal (RN), João Pessoa (PB) e Maceió (AL).

Saindo do Brasil, passamos o natal em São Tomé na Argentina. Encontrei por esses lados, muito motociclistas também Brasileiros nas estradas e cidades próximas a Patagônia. A maioria deles rumando e voltando de Ushuaia. No último dia de estrada, na fronteira entre o Chile e a Argentina, chegamos a Punta Arenas, onde o navio da Marinha Brasileira nos aguardava. O Reveillon foi comemorado a bordo do belo navio brasileiro e, portanto, aindaem território nacional.

O navio chegou ao ponto de desembarque planejado para o cumprimento da missão em 11 de janeiro. Era a hora H e o bote comandado pelo Sargento mergulhador Cícero, atracou no imenso bloco de gelo que compõe o Glaciar Wanda. Após a inspeção dos especialistas, uma área foi considerada segura para rodar.

Acompanhado por Nestor Miranda, Capitão de corveta médico, e Christiano Garnett, pesquisador do INPE, desfrutei do momento de glória. A sensação de pilotar em um Glaciar Antártico é indescritível. No final, enquanto segurava a bandeira do Brasil próximo da Traxx Fly 125cc, vivenciei a nova conquista. Estava vencida a última fronteira para as motos em nosso planeta. Mas será que essa é mesmo a última fronteira? Afinal, temos vulcões, o fundo do mar…

Informações Técnicas

gerais

  • Ano de realização: 2006
  • Duração: 44 dias
  • Piloto: Bozoka
  • Equipe de apoio: Julião Aymard e Kérsia Porto (in memoriam)
  • Roteiro: Brasil, Argentina, Chile e Antártica

Detalhes da moto

  • Motocicleta: Traxx Fly 125
  • Ano: 2006
  • Fabricação: Traxx Motos do Brasil
  • Motor: Mono cilíndrico
  • Cilindrada: 124cc
  • Peso: 110 kg
  • Velocidade máxima: 115 km/h
  • Patrocínio: Traxx Motos do Brasil


Minhas outras Expedições